Relato de Experiência

Erasmus em Milão

© 2018 GIMJF || Grupo de Interesse - Movimento Jovem na Fisioterapia

 

A experiência que venho a apresentar é no âmbito da Unidade Curricular Ensino Clínico V, mobilidade Erasmus +, do 4º ano de Licenciatura em Fisioterapia, na Escola Superior de Saúde do Vale do Ave.

Os motivos que me levaram a candidatar-me ao Erasmus + tiveram como base a experiência pessoal, profissional e cultural. Candidatei-me a Valência e Milão, sendo que Milão despertou, desde logo, muita curiosidade em mim. Fiquei colocada em Milão, Università Dégli Studi Di Milano, sendo que a Unidade Curricular decorreria no âmbito hospitalar, Azienda Ospedaliera San Paolo Milano.

Relativamente às características do local de estágio em que estou inserida pouco ou nada contribuíram para a minha experiencia profissional, pois trata-se de um estágio apenas observacional, onde passo cerca de 6/7horas ora sentada ora de pé com os olhos postos num tratamento com o qual, na maior parte das vezes, não concordo ou simplesmente nada tem a ver com o que em Portugal leccionei, mas nem assim se dão ao trabalho de me explicar para poder, de alguma forma, discutir, intervir e enriquecer o meu conhecimento. Aconselho Milão a quem está na área de designer, arquitetura e moda. Na saúde, no meu caso Fisioterapia, Portugal está mais avançado e preparado para acolher qualquer estudante estrangeiro.

Nos dias de hoje o Erasmus é meramente uma experiência pessoal e não (tanto) profissional, mas posso dizer-vos que toda a gente deveria passar por esta experiência pois torna-nos mais independentes, valorizamos pequenos pormenores como o trabalho que damos em casa às nossas mães, moldamos a nossa mente a outras culturas e, acima de tudo, adquirimos uma capacidade de solucionar ou dar a volta a qualquer obstáculo que nos possa surgir ao longo do percurso e acreditem que não são poucos; mas hoje posso dizer que apesar do estágio não estar a correr como eu esperava, de toda a frustração sentida naquele local, eu saio vencedora desta aventura.

Elsa Anjos, ESSVA