"Erasmus: Uma experiência, uma nova aprendizagem, uma aventura única

No contexto das Unidades Curriculares de Educação Clínica III e IV do ano 2015, decidi embarcar para uma nova e grande experiência. Viajar, sempre foi algo que me fascinou, no entanto, quando ingressei para a faculdade e soube que havia a possibilidade de fazer Erasmus, desde então mostrei interesse. Com o passar dos anos, essa ideia foi-se apagando uma vez que essa experiência só iria ocorrer no 3º ano de Licenciatura.

Quando cheguei ao final do 2º ano, foi marcada uma reunião com os alunos que queriam fazer um programa de mobilidade e lá fui eu... Estava pronta para saber os países que tinham parceria com a minha faculdade (IPS-Escola Superior de Saúde) e ouvir as experiências dos colegas que já tinham passado pelo mesmo. Com isto, aquele meu interesse do primeiro ano, era maior!

No entanto, o meu nível de inglês e o medo pelos termos técnicos, fez com que eu estivesse mais virada para Espanha, pois já estava mais familiarizada, e mais à vontade por ter contacto com pessoas dessa origem. A cidade escolhida foi então Barcelona, por ser uma cidade maravilhosa, tanto a nível cultural como em termos de conhecimentos e porque nunca ninguém do meu curso tinha ido para lá, ou seja, iria ser uma aventura diferente, onde tivemos de partir do zero (desde arranjar casa, aperfeiçoar a língua, dirigir-me aos locais de estágio, entre outros). Quanto ao último, não fui eu que escolhi o local e a área de estágio pois na minha escola os alunos são obrigados a fazer as áreas obrigatórias (Músculo-esquelética, Cardiorrespiratória e Neurologia) e a área de seleção é feita pelos professores seguindo critérios previamente estabelecidos. Uma vez que já tinha realizado estágio em Cardiorrespiratória e iria ter dois períodos de Educação Clínica para fazer em estágio, realizei nas restantes áreas que me faltavam.

Quanto aos locais de cada estágio, foi a Universidade (Uvic) que tinha parceria com a minha que delineou os locais. Fiquei bastante satisfeita pelas áreas e os locais de estágio, isto porque consegui vivenciar dois locais e contextos completamente diferentes. O estágio de músculo-esquelética foi numa clínica privada (CROT) onde deparei-me com diversas condições, desde doenças agudas a crónicas, já o estágio de Neurologia foi realizado num ginásio (Fundació Step by Step) enorme onde 90% das condições eram LVM, tendo-me deparado com todo o tipo de patologias e idades (pediatria, jovens, adultos e geriatria) e com aparelhos/instrumentos que nunca tinha tido conhecimento anteriormente.

Sem dúvida alguma que as 12 semanas de Erasmus foi uma ferramenta muito valiosa para o meu futuro, não só em termos da minha formação e desenvolvimento profissional como também para o meu conhecimento pessoal. Esta experiência proporcionou-me conhecimento clínico e também ajudou-me a ver o mundo e as pessoas com uma perspetiva diferente. Ensinou-me novas maneiras de viver, ver novos hábitos, costumes e culturas, ensinou-me no desenvolvimento da profissão, o que ajudou-me a fazer uma dinâmica e profissional aplicada.

Outra razão pela qual eu decidi candidatar-me a este programa Erasmus foi também para testar e implementar a minha capacidade de lidar com as coisas novas e inesperadas e para analisar a minha determinação em resolver situações difíceis. Aconselho todos os alunos universitários que façam Erasmus, é uma mais -valia, é uma experiência única! Aprende-se imenso e em todos os sentidos.

Com esta experiência estarás mais adaptado/a para intervir com utentes de diferentes culturas, étnicas etc. e… outras línguas!

Aproveita a oportunidade!"


Liliana Toucedo de Lima, 4º ano ESS-IPS 2015/2016 

Relato de Experiência

Erasmus em Barcelona

© 2018 GIMJF || Grupo de Interesse - Movimento Jovem na Fisioterapia