© 2018 GIMJF || Grupo de Interesse - Movimento Jovem na Fisioterapia

 

​​

      ​​​Documento Síntese

FÓRUM DO JOVEM NA FISIOTERAPIA - Lisboa 2017



   Decorreu nos dias 13 e 14 de Maio de 2017 na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, o IVº Fórum Jovem na Fisioterapia (FJF) dinamizado pelo Grupo de Interesse - Movimento Jovem na Fisioterapia (GI-MJF), da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (APFisio).

   O FJF é um evento estruturado por sessões que visa abordar um conjunto de temáticas, não exclusivas do conhecimento e área científica de Fisioterapia e, por vezes, descuradas nos planos curriculares nas licenciaturas, cujo objectivo passa pela criação de momentos de debate e discussão com o vista a (in)formar os participantes e criar competências e desenvolvimento de soft skills.

   Sábado de manhã, contou-se com a presença da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, na figura do seu Presidente, o Fisioterapeuta Emanuel Vital. Através da conversa, subordinada ao tema De onde vimos e para onde vamos: A Fisioterapia em Portugal, foi possível percepcionar a evolução da nossa profissão e conhecer os principais obstáculos que a APFisio sente, por ter um corpo associativo de reduzidas dimensões atendendo o universo de profissionais.

   Na sessão da tarde desse mesmo sábado, sobre a temática Também tenho sentimentos! - Cuidados de Saúde mais Humanos, estiveram presentes a Psicóloga Margarida Santos e a Fisioterapeuta Ana Rita Saramago. Iniciou-se com uma reflexão sobre a evolução da humanização dos cuidados de saúde e a importância do fator "humano" nas prestações de cuidados. Foi ainda possível elencar os desafios com que os fisioterapeutas de hoje em dia se debatem na prestação de cuidados humanos e como saber escutar o nosso paciente antes de fazermos qualquer diagnóstico precipitado, que por vezes nos pode levar à desvalorização de um problema e consequentemente a uma atitude negligente. Por fim, refletiu-se sobre aqueles que serão os desafios futuros e a forma de  colmatar as nossas eventuais falhas.

   No seguimento do programa para essa tarde, contámos com a presença do Fisioterapeuta Eduardo Cruz, abrindo-se a sessão ao tema O que ouve o meu utente quando eu falo? - Comunicação e raciocínio centrados no utente. Uma sessão que complementou a primeira dessa tarde, mas que acrescentou a importância de uma prática informada em boa evidência científica, frisando que a investigação é uma ferramenta importante para o desenvolvimento da nossa profissão. Deram-se dicas de como orientar uma intervenção, contornando crenças e hábitos, através da comunicação. No debate, enriquecido com experiências dos participantes, concluiu-se com o desafio de estarmos despertos para as novas descobertas e como essas estão a mudar o mundo da Fisioterapia.

   Domingo de manhã inicaram-se os trabalhos com a sessão intitulada Olá Mercado de Trabalho, posso entrar?, que consistiu na apresentação da Pasta do Jovem Fisioterapeuta pelo Fisioterapeuta David Francisco. Esta apresentação, elaborada pelo grupo FISIOJOVEM, antigo grupo da APFisio, mas ainda em estreita colaboração com o GI-MJF, permitiu esclarecer questões que se prendiam com a abertura de actividade como Fisioterapeuta na Autoridade Tributária e Aduaneira, a emissão de recibos-verdes e a sua tributação em sede de IRS. Foram também abordadas questões sobre a criação do seu próprio trabalho e as medidas de incentivo ao emprego jovem pelo IEFP como os ‘’Estágios Profissionais’’. Houve ainda espaço para falar de emigração e modelos a adoptar na construção do Curriculum Vitae e cuidados a ter no seu preenchimento nomeadamente na informação prestada e na relevância que a mesma tem para o cargo a que se pretende candidatar.

   Com a tarde demos início ao penúltimo momento do Fórum Jovem na Fisioterapia, denominada Usar o que sei, ajudando os outros: um guia sobre Voluntariado. Para esta palestra, contámos com a presença da Fisioterapeuta Carolina Cardoso, que nos falou sobre a sua experiência de voluntariado em Fisioterapia no Quénia. Também as Fisioterapeutas Cláudia Veríssimo, Carmelita Camacho e Teresinha Silva e a Enfermeira Márcia Martins nos deram os seus testemunhos através de formato vídeo. De seguida, o Fisioterapeuta David Francisco apresentou algumas plataformas facilitadoras de voluntariado internacional e deu alguns conselhos sobre a pesquisa das mesmas, desafiando os participantes interessados a iniciar um projeto de voluntariado de âmbito local.

  Para terminar, abriu-se um momento de networking com os presentes no qual se avaliou o Fórum do Jovem na Fisioterapia e se procurou perceber quais as alterações a implementar na sua estratégia de conteúdos, comunicação e publicidade para melhorar o interesse e participação da população alvo nos eventos dinamizados pelo grupo. Debateu-se também o que se esperava do Movimento Jovem na Fisioterapia, agora que é um Grupo de Interesse da APFisio.